Posts Tagged 'notícias'

R.I.P. Sonia Pottinger (1931-2010)

Notícia “velha” mas que deve ser anunciada.

Morreu no dia 3 de novembro de 2010 a primeira produtora jamaicana Sonia Pottinger. O falecimento começou por “boatos” no twitter, foi até mencionado pelo pessoal do Y&M, e mais tarde no dia houve confirmação através de notícias vinculadas nos principais jornais jamaicanos como o Jamaica Observer e Jamaica Gleaner.

Pottinger casou-se com o produtor musical Lyndon Pottinger e em 1965 começou a seguir os passos do marido, abrindo sua lojinha Tip Top Records. No ano seguinte a abertura da loja, passou a produzir músicas pelo seu label Gay Feet. Seu primeiro release foi o single “Every Night” by Joe White & Chuck. Ela trabalhou até meado dos anos 80, participando com ênfase nas primeiras produções jamaicanas (ska, rocksteady e early reggae eras) através dos labels Tip Top, Rainbow, High Note, além do Gay Feet, já mencionado. Artistas como Toots & The Maytals, The Ethiopians, The Melodians, entre vários outros foram produzidos por ela. Na década de 70 após a morte de Duke Reid, Pottinger adquiriu o catálogo da Treasure Isle.

Sonia morreu aos 79 anos de idade e sofria de mal de alzheimer.

Triste notícia e grandes perdas recentes. Já não bastava a morte de Gregory Isaacs agora está notícia.

links

Relatos da Virada

Estive na Virada Cultural e Ilegal, que aconteceu em São Paulo, este final de semana que passou. O balanço final foi: consegui assistir Booker T, The Temptations Experience e Big Youth, além de curtir e discotecar na Virada Ilegal com o Jurassic Soundsystem e convidados.

SHOWS

1º Booker T: o show deixou a desejar, mas não pela apresentação e sim pela produção. O palco do Boulevar São João, pelo menos na madrugada de sábado para domingo (pode ser que tenham melhorado no decorrer do evento), estava uma merda! O som estava baixo, não estava regulado e ninguém fazia nada para consertar. Por exemplo, no show do Booker T parecia que o teclado estava mais baixo que a banda, o som ficava meio abafado, ainda mais quando o guitarrista começava a solar loucamente. Não sei dizer se era proposital o fato do teclado ficar mais baixo que o resto da banda, mas como o show era do Booker T, acho que o teclado era o principal da apresentação, sem contar que a sonoridade do Hammond é maravilhosa. Em uma escala de 1 a 10 eu daria nota 6 ao show.

2º The Temptations Experience: na sequência, no mesmo palco,  o show dos Temptations. Os problemas de produção continuaram, um dos microfones simplesmente não funcionava. É inaceitável a falta de um microfone, afinal o grupo tem como característa o doo-whop como estilo de vocal e o conjunto das vozes é fundamental para a apresentação. Apesar dos problemas, o show foi ótimo! A presença de palco dos integrantes é sensacional, dançando com seus ternos roxos e sapatos de couro, fazendo coreografias o tempo inteiro e sempre com sorrisos. Foi demais, mesmo com os defeitos da produção. O show foi curto, mas foi suficiente. Vários clássicos no repertório, como “My Girl”, “Get Ready” (abriu a apresentação), “Papa Was a Rolling Stone”, “I Wish it Would Rain” etc. Em uma escala de 1 a 10 eu daria nota 8 ao show.

O Experience no nome do grupo é porque este não é formado pelo membros originais e apenas Glenn Leonard (o mais a esquerda no vídeo abaixo) realmente passou pela banda como cantor principal de 1975 à 1983.

O áudio desse vídeo está ruim, mas a imagem está ótima

3º Big Youth: descansado, no segundo dia da Virada, show do Big Youth no palco da Barão de Limeira. Para ser breve, o show foi FODA! Velho maluco no palco, estiloso, dançando, pulando, batendo cabeça com os dreads, muito bom! O repertório eu não conhecia tanto, mas a música era boa e a presença de palco estava acima da média. Na apresentação, Jah Youth, como também é conhecido, cantou com o filho Tafari, que é cantor de rap. Foi jóia! Melhor do que descrever, é assistir. Em uma escala de 1 a 10 eu daria nota 9 ao show

VIRADA ILEGAL

Os trabalhos começaram na sexta com o ajuste do soundsystem. No sábado, esforço físico para carregar as “toneladas” de caixas até a Praça da Sé. Por volta de 18:00 já estava tudo pronto para ligar e às 20:00 o som foi ligado de fato. Algumas regulagens finais e tudo pronto. Foram 7 horas de música jamaicana. Discotequei no início com o Jurássico, representando o RoodBoss, até sair para assistir Booker T e Temptations. Voltei mais ou menos às 3:00 e o público tinha triplicado, a pequena rua Simpliciana estava lotada. Hail Him estava finalizando seu set e o Kulcha Sounds já havia tocado. Depois de alguns minutos que o Jurássico e o Sono assumiram novamente o som, houve uma confusão que lamentavelmente resultou no fim da festa. Não entendo como que as pessoas não valorizam o trabalho dos outros, gasta-se dinheiro, tempo e esforço, para fazer um evento legal, cultural e alguns poucos conseguem estragar a diversão de muitos. Apesar do que houve, foi ÓTIMO e para quem perdeu a Virada, só lamento, rs!

Trojan promete uma nova série de compilações em CD

A Trojan, através do seu site: http://www.trojanrecords.com, anunciou ontem, 2 de maio de 2010, que lançará no final do mês uma nova série de compilações em CD com a história da gravadora. Desde os sons antigos jamaicanos até os novos lançamentos feitos pela Universal (para quem desconhece, a Trojan faz parte do grupo de empresas da Universal Music Group).

Os primeiros 4 lançamentos englobará o Dub, Ska e Mod Reggae. Outro detalhe importante, segundo a notícia, será feito um esforço para que não haja repetição de música ja lançadas nos já famosos Trojan Box Set: 3CDs.

Vamos ver quais novas pedradas teremos o prazer de escutar ;).

fonte: http://www.trojanrecords.com/index.php?l1=1&articleID=222

Matéria “Por onde anda o SKA?” do programa Scrap MTV

Uma pequena matéria feita pela MTV pergunta a artistas e pessoas do “meio” sobre o SKA. Bem incompleta a matéria, mas legal ver o que as pessoas sabem sobre o ritmo. Confiram no link abaixo:

Identidade gráfica do Two Tone

Em 1979, recém formado em belas artes, David Storey ingressou na equipe que, sob a direção criativa de Jerry Dammers (The Specials), criou a identidade gráfica da banda e do selo Two Tone. Quando o ‘look’ já tinha se estabelecido – terninho, gravata fina, chapéu “Pork Pie”,  sapatos “Penny Loafers” e óculos “Rayban Wayfarers” – Storey e seu comparsa John ‘Teflon’ Sims, ajudaram na criação da linguagem gráfica que acompanharia o estilo. Agora devoto à pintura, David Storey fala de seu trabalho:

(Tradução livre. O texto original e a entrevista segue na integra em inglês).

In 1979, fresh from art college, David Storey joined the team that, under the creative direction of The Specials’ Jerry Dammers, created the graphic identity for the band and their label, Two Tone. While the fashion ‘look’ for Two Tone was already well established – shiny suits, thin ties, pork pie hats and penny loafers all topped-off with a pair of Rayban Wayfarers – Storey and his partner John ‘Teflon’ Sims, helped create the visuals to go with it. Now devoting his time to painting, David Storey talked to CR about his work.

CR: How did you first get into designing for the music industry?
While still at art college I was commissioned by Rocket Records to produce artwork for two Elton John tracks: ‘Someone Saved My Life Tonight’ and ‘Island Girl’, this work proved to be a stepping stone to a full-time job at Chrysalis Records once I’d graduated.

CR: The Two Tone work was done with John Sims – how did that partnership work?
John ‘Teflon’ Sims and I met at Chrysalis and subsequently worked together as a team for over ten years! We were responsible for a huge amount of Two Tone graphics.  As well as the sleeves, we produced hundreds of promotional items: posters, adverts, T-shirts, badges etc. John is a superb ‘Swiss School’ typographer while my strength tended to be on the pictorial/collage side, so we made a good team. After working in the music industry together we spent several years designing graphics for the Danish fashion company Inwear/Matinique.

CR: Two Tone had a very specific look in terms of the fashions worn by the musicians – how was that translated into a visual language for the sleeves and posters?

When the Two Tone label was launched, with the release of ‘Gangsters’ by The Specials, the fashion ‘look’ was already well established. It originated in Jamaica and was known as the Rude Boy look: shiny zoot suits, thin ties, pork pie hats, penny loafers… topped-off with a pair of Rayban Wayfarers… the most obvious reference to this in the label’s identity is the Two Tone man, known as Walt Jabsco.

CR: How involved was Jerry Dammers? What influence did he have?
Jerry Dammers, the Specials keyboard player, was the brains and creative driving force behind the Two Tone label. He had an obsessive approach to the visuals and worked very closely with John and I on everything right down to the most minute detailing. The entire visual approach came from Jerry, he wanted everything to have a fresh, simple, direct, home-spun, feel. He was great to work with but extremely demanding.

CR: Can you explain who (or rather what) Walt Jabsco was and how he came into being?
As I remember it Jerry had an old vintage bowling shirt which had the name Walt Jabsco embroidered on the front and this name just seemed to get transfered to the Two Tone man. The drawing of the man was based on a photo Jerry had of Peter Tosh.

CR: Why the checkerboard graphic?
As well as being literally made up of two tones the checkerboard pattern was meant to symbolise racial harmony, which is a brilliant idea as Two Tone was a fusion of black and white youth culture. It was first used in 1979 on the paper bag that ‘Gangsters’ was sold in.

CR: You have described your Two Tone work as having an anti-design aesthetic – can you explain what you mean?
Our whole approach was what you might call ‘none design’ meaning that Jerry would root out any attempts by John and I to introduce gratuitous design embellishments. This ruthless weeding process resulted in bold, simple, direct  graphics and is probably the main reason that the Two Tone style has such an enduring impact.

CR: What do you feel about the Two Tone work now looking back on it?
I am very proud of it. Partly because of its timeless appeal, partly because of it was integral to the success of the Two Tone label – but mainly because it packaged and promoted a unique style of music… dance music that conveyed important social and political messages to a huge audience. Probably the best examples of this are ‘Ghost Town’ and ‘Nelson Mandela’, both by The Specials.

CR: Does graphic design play such a central role in music and youth culture today? If not why not?

Personally I think graphic art is alive and well in today’s youth culture… it’s different, diverse and it’s everywhere of course. I see remarkable things happening in the gaming industry and animation in particular. Most people download their music now so you don’t see many record sleeves around. Although I did see one the other day that made me smile… my 11 year old daughter showed me a Lily Allen release, ‘Blank Expression’ , which is packaged in a perfect replica of the original Two Tone paper sleeve!

Storey and Sims have recently released a set of some of their finest Two Tone posters in limited editions of 100 Giclée prints, printed on fine art paper, available to buy from Storey’s website. CR readers can win a copy of the We Are 2 Tone print in a competition in our July issue, out June 25.

Also available from Stoorey’s site are prints of his work for The Housemartins

Via: http://www.creativereview.co.uk/cr-blog/2009/june/two-tone

50 anos de Island Records

Li hoje no site da Trojan Records que em comemoração aos 50 anos da Island, ela irá lançar um box set de 3 disco dos melhores hits jamaicanos de seu antigo catálogo. Intitulado “Island Reggae Box”, o lançamento parece seguir o mesmo estilo dos box sets da Trojan e a seleção é sensacional, confiram:

DISC #1: THE HARDER THEY COME, SKA TO REGGAE 1959 to 1973
Boogie In My Bones – Laurel Aitken / We‘re Gonna Love – Wilfred ’Jackie‘ Edwards / Darling Patricia – Owen Gray / Forward March – Derrick Morgan / Housewives Choice – Derrick Morgan & Patsy / Honour Your Mother and Father – Desmond Dekker / King Of Kings – Jimmy Cliff / Exodus – Ernest Ranglin / Eastern Standard Time – Don Drummond & The Skatalites / My Boy Lollipop – Millie Small / Carry Go Bring Come – Justin Hinds & The Dominoes / Bonanza Ska – Carlos Malcolm & His Afro Jamaican Rhythms / Sweet William – Millie Small / Dance Crasher – Alton Ellis & The Flames / Guns Fever – The Baba Brooks Band / Take It Easy – Hopeton Lewis / On The Beach – The Paragons / You Don’t Care (You’ll Want Me Back) – The Techniques / Stop That Train – Keith & Tex / Rock Steady – Alton Ellis & The Flames / My Conversation – The Uniques / Ride Your Donkey – The Tennors / Take Five – Val Bennett / Hold You Jack – Derrick Morgan / The Harder They Come – Jimmy Cliff / Breakfast In Bed – Lorna Bennett / This Is Reggae Music – Zap Pow

DISC #2: PARTY TIME, ROOTS, DUB & LOVERS 1973 to 1979
Book Of Rules – The Heptones / Marcus Garvey – Burning Spear / King Tubby Meets The Rockers Uptown – Augustus Pablo / Carry Go Bring Come (Reggae version) – Justin Hinds & The Dominoes / Reggae Got Soul – Toots & The Maytals / Police And Thieves – Junior Murvin / Soldier And Police War – Jah Lion / War In A Babylon – Max Romeo / Back To Africa – Aswad / Roast Fish And Corn Bread – Lee Perry / Cokane In My Brain – Dillinger / Ballistic Affair – Leroy Smart / Party Time – The Heptones / 96 Degrees In The Shade – Third World / Ska Wars – Rico / Prodigal Son – Steel Pulse / Want Fi Goh Rave – Linton Kwesi Johnson / Love And Devotion – Jimmy Riley / Guess Who’s Coming To Dinner – Black Uhuru

DISC #3: WELCOME TO JAMROCK, 1980 to 2005

(Stalk Of) Sensimilla – Black Uhuru / Warrior Charge – Aswad / The Bed’s Too Big Without You – Sheila Hylton / Fort Augustus – Junior Delgado / One Love Jamdown – Papa Michigan & General Smiley / Sitting And Watching – Dennis Brown / Night Nurse – Gregory Isaacs / Pass The Kouchie – The Mighty Diamonds / What Is Life – Black Uhuru / Revolution – Dennis Brown / Trouble You A Trouble Me – Ini Kamoze / Oh What A Feeling – Gregory Isaacs / Don’t Turn Around – Aswad / Tease Me – Chaka Demus & Pliers / Boom Shack A Lack – Apache Indian / Murder She Wrote – Chaka Demus & Pliers / Whine And Grine – Prince Buster / Welcome To Jamrock – Damian Marley

Além do box set, outro lançamento em comemoração aos 50 anos será uma versão deluxe do clássico “Police & Thieves” de Junior Murvin. Essa versão contará com trilhas adicionais, além das 10 originais lançadas em 1977. O tracklist será:

CD#1:
1. Roots Train
2. Police And Thieves
3. Solomon
4. Rescue Jah Children
5. Tedious
6. False Teachin‘
7. Easy Task
8. Lucifer
9. Workin’ in The Cornfield
10. I Was Appointed
BONUS TRACKS (dub cuts):
11. Version Train – The Upsetters
12. Predictions Dub – The Upsetters
13. Grumblin’ Dub – The Upsetters
14. Tedious Dub – The Upsetters
15. Teachers Dub – The Upsetters
16. Police And Thieves radio ad #1

CD#2:
1. Childhood Sweetheart
2. Memories (extended mix)
3. Rasta Get Ready (People Get Ready) – Junior Murvin & The Upsetter Revue
4. Grow Closer Together/Gypsy Woman – Junior Murvin & The Upsetter Revue
5. Roots Train (extended mix) – Dillinger & Junior Murvin
6. False Teachin’ (alternate take)
7. I Was Appointed (alternate take)
8. Cross Over
9. Cross Over Dub – Junior Murvin & The Upsetters
10. Bad Weed
11. Soldier And Police War – Jah Lion & Junior Murvin
12. No Justice – The Upsetters
13. Magic Touch – Glen Da Costa & The Upsetters
14. Philistines On The Land
15. Bingo Kid – Earl ‘Chinna’ Smith & The Upsetters
16. Bad Weed (extended mix)
17. Police And Thieves radio ad #2

Para a leitura das nóticias direto do site da Trojan (em inglês) segue os links:

Se alguém conseguir esses três disco, bota aí pra galera ;)

Dub Echoes

Os brasileiros Bruno Natal(diretor do doc.) e Chico Dub(carioca, profundo conhecedor da música jamaicana)  lançam agora dia 10 de maio o tão aguardado documentário Dub Echoes na festa 100% dinamite em londres com participação de Don Letts. Festa fina. O documentário  de iniciativa independente busca explicar a importância da cultura sonora jamaicana sobre a musica atual seja a eletronica ou o dancehall. A evolução das sonoridades da ilha e suas formas de composição inusitadas e únicas(efeitos, timbres, etc). O filme tem duas partes, a “Dub” e a “Echoes”. Na primeira é explicada as origens do Dub na Jamaica, da cultura dos sound systems até os experimentos de King Tubby e Lee Perry com suas respectivas mini-biografias-dub e as prensagens dos dublates. Na segunda é mostrado os caminhos que o Dub percorreu pelo mundo, principalmente nos EUA e na Inglaterra, e a influência decisiva que teve e tem no rock com clash e p.i.l. e na música eletrônia(drum n’bass, trip hop, dubstep  e no Hip Hop). Sempre através de entrevistas com nomes expressivos em suas áreas musicais  dos períodos e gêneros abordados no filme.
O filme ainda conta com inúmeras participações de todo o mundo. De Lee Perry a Two many djs, passando pelos brasileiros da nação zumbi ao produtor Mário Caldato Jr, .de Roots Manuva a U-Roy, num total de mais de 40 entrevistados.  A trilha sonora original conta com os cariocas do digital dubs bem presente no início do filme. E bem boa!!!
Em site de torrent já é possível achar uma versão não finalizada do documentário. (essa versão não contém a trilha oroginal completa e conta com algumas entrevistas que no video final não entraram por cláusulas contractuais.
As entrevistas e fotos da jamaica antiga são o oro do doc. Muitas imagens legais e historias contadas por Lee perry ou U-roy por exemplo. Vários produtores jamaicanos que acompanharam o início do dub e toda sua influcência na musica da Terra. E produtores e músicos da atualidade falam como o dub influência em sua música e em sua vida.
O carioca Chico Dub é um profundo conhecedor da música jamaicana. Sua recheada coluna Jamaica Hi-Fi, publicada no site Radiola Urbana, é um prato cheio para quem têm interesse sobre o assunto. Seu blog, o Dub.blogger.com.br, também é repleto de informações e referências fundamentais para quem deseja desbravar o estilo.
ficadica.
jah bless.

The Aggrolites mostram seu Dirty Reggae no Brasil

Às vésperas de lançar seu quarto álbum, banda de Los Angeles se apresenta no renomado festival Coachella, nos EUA, e embarca para quatro shows no Brasil, em Porto Alegre (Porão do Beco – 23/4), São Paulo (Inferno Club – 24 e 25/4) e Rio de Janeiro (Teatro Odisséia – 26/4). The Aggrolites são: Jesse Wagner (vocais, guitarra), Roger Rivas (órgão), Jeff Roffredo (baixo) e Brian Dixon (guitarra). Rick Falomir, integrante não fixo, fora da foto, é o baterista.

Quando os Aggrolites se juntaram, em Los Angeles, 2002, para acompanhar a turnê americana do mestre Derrick Morgan, perceberam que o resultado não pararia por ali. Nos anos seguintes alcançaram o respeito de público e crítica, resgatando o Early Reggae, estilo repleto do bom e velho teclado Hammond que remete ao som da Jamaica pré rastafari. A discografia da banda revela também influências do funk dos Meters e da pegada de Toots & The Maytals e The Clash. Tim Armstrong (Rancid), que já tinha os Slackers, os convidou para fazer parte da Hellcat Records e também gravou o disco “A Poets Life” com o dirty reggae dos Aggrolites, presença confirmada nos melhores festivais dos EUA (Coachella) e Japão (Fuji Rock).

Se apontar as influências já antecipa qualidade, os Aggrolites levam grande vantagem sobre outros grupos atuais. Formado em Los Angeles, 2002, o quinteto construiu sua própria forma de ver o reggae baseado não apenas no que de melhor a Jamaica tem a oferecer, como Toots & The Maytals. O grupo adiciona a fórmula também o funk dos Meters e do Tower of Power. Nos discos e nos palcos, o resultado é tão intenso que transmite uma energia jamais vista numa banda do gênero. Os Aggrolites parecem o Clash, ou um grupo punk, moendo seu “Dirty Reggae”.

A expressão “Dirty Reggae” foi criada para descrever o som e a alma dos Aggrolites. A inspiração do rótulo é intimamente ligada ao chamado “Early Reggae”, gênero da música jamaicana cultuado por punks e mods cuja principal referência é o timbre do teclado Hammond, onipresente nas canções. Praticando tal estilo, com fãs cada vez mais numerosos, os Aggrolites chegam a fazer 300 shows por ano, nos EUA, Europa, Japão – e agora no Brasil.

O grupo prepara-se para levar à estrada as 21 novas canções, do novo álbum “IV”, o quarto da sua carreira. O álbum, guardadíssimo, sucede o magnífico “Reggae Hit LA” (2007), que figurou inúmeras semanas nas paradas de reggae e de independentes da revista americana Billboard. A discografia da banda contém ainda os álbuns “Dirty Reggae” (2003) e “The Aggrolites” (2006). Outra pérola é “A Poets Life”, de Tim Armstrong, vocalista do grupo punk californiano Rancid, cuja backing band eram os Aggrolites. Suas músicas aparecem nas coletâneas da 2008 Vans Warped Tour e em diversos volumes da série Give ‘Em The Boot, da Hellcat Records.

The Aggrolites já dividiram palco com Social Distortion, Madness, Rancid, Flogging Molly, 311, Michael Franti & Spearhead, Dropkick Murphys, The Vandals, Against Me!, Gogol Bordello, The Aquabats, Hepcat, The Skatalites, Prince Buster e Derrick Morgan. Foram agraciados com aparições de eventos como Vans Warped Tour, SXSW, Bumbershoot, CMJ, Sundance Film Festival, L.A. Film Fest, Sunset Junction, Detour Music Fes. Em 2009, eles adicionam à lista os festivais Coachella, onde tocam na mesma noite de Paul McCartney, Black Lips e Franz Ferdinand, Fuji Rock, West Coast Riot, Open Air St. Gallen, Pohoda Festival, Rebellion Festival, Chiemsee Reggae Festival, Couvre Feu Festival, entre inúmeros outros ao redor do planeta.

Fotos & Créditos (em alta e baixa resolução)
www.radiolarecords.com.br/download/aggrolites.zip

SERVIÇO:

Cidade: Porto Alegre
Data: Quinta, 23 de Abril
Horário: 22h00
Local: Porão do Beco
Endereço: Av. Independência, 936 – Independência
Fone: (51) 3026-2126
DJs: Kaskata, Leo Garbin e Claudio Cunha
Preços: R$ 30,00 (Club Ska) e R$ 50,00 (antecipados e estudantes)
Ingressos à venda nas lojas Compujob dos Shoppings Iguatemi, Total, Barra e Rua da Praia.

Cidade: São Paulo
Data: Sexta, 24 e Sábado, 25 de Abril
Horário: 23h00
Local: Inferno Club
Endereço: Rua Augusta, 501 – Consolação
Fone: (11) 3120-4140
Abertura: King Rassan Orchestra – DJ: Rev. Denis
Preços: R$ 30,00 (Club Ska) e R$ 50,00 (antecipados e estudantes)
Ingressos à venda na http://www.punkshop.com.br e também na Colex (24 de Maio, 116 – Loja 33),
Trezeta Musik (Augusta, 2203 – Loja 7), Zeitgeist (24 de Maio, 62 – Lojas 349/351) e Estrondo (24 de Maio, 62 – Loja 342)

Cidade: Rio de Janeiro
Data: Domingo, 26 de Abril
Horário: 19h00
Local: Teatro Odisséia
Endereço: Av. Mem de Sá, 66 – Lapa
Fone: (21) 2266-1014
Preços: R$ 30,00 (Club Ska) e R$ 50,00 (antecipados e estudantes)
Participação: Rasta Knast/Alemanha – DJs: Laos e Juca (The Bangarang Sound System)
Ingressos à venda na Punkshop http://www.punkshop.com.br e também na La Cucaracha (Teixeira de Melo, 31H – Ipanema), Áudio Rebel (Visconde de Silva, 55 – Botafogo) e Livraria Berinjela (Rio Branco, 185 – Loja 10 – Subsolo – Centro).

Myspace: www.myspace.com/theaggrolites
Hot Site (Com Audio e Video): www.radiolarecords.com.br/theaggrolites

Entrevistas, credenciamento & imprensa no Brasil
Bruno Lancellotti bruno@radiolarecords.com.br
(11) 9710-9479

Novo álbum Easy Star All-Stars: Beatles!

Para quem não conhece, Easy Star All-Stars é uma banda de Nova York, famosa por seus álbuns covers. Criada em 1997, foi inicialmente  formada para ser a banda de estúdio da gravadora Easy Star Records. Mas em 2003 com o projeto “Dub Side of The Moon” idealizado pelos co-fundadores da gravadora Michael Goldwasser, Eric Smith e Lem Oppenheimer o “coletivo” (coletivo, porque a banda não é fixa e diversos músicos passaram e passam pela formação do grupo) Easy Star All-Stars passou a repercutir na mídia e comercialmente.

“Dub Side of The Moon”, como o próprio nome sugere, é um tributo ao álbum “Dark Side of The Moon” do Pink Floyd, é o mais famoso projeto da banda e ficou por cinco anos como top álbum no quadro da Billboard de reggae. Todos os projetos do Easy Star, com exceção do EP “Until That Day” que contém músicas originais, baseia-se em regravar músicas famosas de artistas consagrados em uma versão dub/reggae. A idéia da banda é sempre manter-se fiel às letras, mudando apenas o arranjo e permitindo-se algumas licensas poéticas como, por exemplo, se em alguma letra tiver a palavra God, alterá-la para Jah (exemplo arbitrário criado por mim), pequenas sutilezas que aproximam mais o remake à cultura reggae/jamaicana.

Após o sucesso de 2003, Easy Star All-Stars surgiram, em 2006, com o “Radiodread”, tributo ao álbum “Ok Computer” do Radiohead. Assim como o seu antecessor, “Radiodread” foi um sucesso e ficou por 18 meses no top da Billboard. Seguindo essa linha de sucessos é esperado o lançamento do próximo e tão aguardado álbum da banda, anunciado para sair em 14 de abril, a bola da vez  são os Beatles. Entitulado “Easy Star’s Lonely Heart Dub Band”, recompilação do álbum  “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, promete ser tão bom ou mais que os antigos trabalhos da banda. Assim como nos outros álbuns, esse possui uma seleção de participações mais que especiais, nomes como: U Roy, Max Romeo, The Mighty Diamonds entre outros grandes artistas do reggae.

Para vocês não ficarem na espectativa, vou colocar aqui o “Dub Side of The Moon”, o mais famoso trabalho, até então, dá banda. Espero que gostem! Sei que os fãs de Pink Floyd deliram com esse álbum, ja presenciei isso. E claro, quem gosta de reggae e dub também com certeza vai se deleitar com essa obra-prima. =D

download

info

Dancehall, a perda da “marca” jamaicana!

Li esses dias no Invasão Jamaica (blog da MTV feito pelo pessoal do You & Me) uma matéria sobre uma reunião ocorrida em Nova York para tentar debater o futuro da “marca” jamaicana, que hoje vem sendo denigrida pelo Dancehall.

Pesquisando mais sobre o assunto, percebi que a maioria das pessoas que prezam pela “imagem” da Jamaica, que mundialmente foi construida com o Reggae, é contra o Dancehall. Isso porque a maioria das músicas desse ritmo enfatizam sexo, violência, homofobia, armas, drogas, dinheiro… temas “marginais” que exprimem  o contrário da mensagem difundida pelo Reggae. Outra razão para “reprovarem” esse ritmo é que além disso, ele vem acabando com os instrumentistas jamaicanos, pois passaram apenas a usar as bases de músicas antigas jamaicanas e a incorporar o computador como meio de produção musical.

Assim como na época de Bob Marley, vários jovens jamaicanos passaram a assumir o Rastafari como filosofia de vida. Hoje, há a preocupação de que a juventude da ilha “se perca” pela influência do Dancehall, pois a Jamaica é um país onde a cultura e comportamento estão completamente vinculados à música.

Além dos problemas sociais incoporados ao Dancehall, fica uma preocupação muito grande em relação à música jamaicana. Como já foi dito, os bons instrumentistas jamaicanos estão desaparecendo e o Dancehall nada mais é do que reutilização de bases, computadorização das músicas e letra por cima disso tudo. É um ritmo mais pobre e simples. O grande problema, não é o Dancehall em si e sim esse tipo de música se tornar a única forma de produção musical. Imagine o Brasil sem MPB, Rock, Samba… e apenas existindo Funk! A comparação seria mais ou menos essa, pois o Funk é de certa forma o Dancehall brasileiro, pois a temática, os bailes e  as letras seguem a mesma linha .

Outro ponto é: a primeira leva de Dancehall era bem próxima do Reggae, apesar de letras um pouco mais explícitas. Artistas como Yellow Man, Barrington Levy ou Eak a Mouse, faziam e fazem um som diferente do que hoje em dia é chamado de Dancehall, atualmente o Ragga e o Dancehall se misturam e diferem bastante dos primórdios desse ritmo tão polêmico.

Eu, particularmente, gosto da primeira leva do Dancehall. Acho um ritmo animado e muito dançante. O Dancehall não precisa acabar, só espero que a Jamaica não estagne e evolua para ritmos tão “grandiosos” como foi o Reggae, Ska, Rocksteady…

Curiosidade:

  • Imagine uma música nacional que fale contra o tráfico de drogas, seria uma música legal né? Pois então, o homosexualismo é ilegal na Jamaica e é por isso que o Dancehall em relação a esse tipo de letra não é tão mal visto dentro da própria ilha, o problema é quando essa música sai de lá para o mundo. (obs.: não sei o ano do documentário em que obtive essa informacao e não sei se a legislação jamaicana continua considerando homosexualismo um crime)
  • Bandas mundialmente famosas, como é o caso do UB40, têm elementos de Dancehall em suas músicas.

Informação: Separei alguns links interessantes e que eu li e assiti antes de escrever esse post. Recomendo que vejam todos ;).

Post relativos e músicas para curtir:


estatística

  • 222.902 cliques

roodboss (t)