Posts Tagged 'two tone'

“Under the Covers” do 2-Tone

Sei que muitas pessoas que dizem gostar do Ska, na verdade, associa o ritmo ao 2-tone e bandas como Specials ou Madness. Tem ainda aqueles que (como eu já associei um dia) pensa que Ska é o som relativo à 3ª onda, onde há a mistura de punk/hardcore e o tão adorado ritmo jamaicano. Bom, mas qual o ponto para eu dizer tudo isso? A verdade é que as pessoas acabam ignorando o Ska tradicional e tem um entendimento errado do que, de fato, é o Ska.

O texto acima foi apenas uma introdução para mostrar a influência “pesada” da real música jamaica, e como argumento apresentar isto: http://2-tone.info/articles/covers.html. O link trata de um artigo da 2-tone.info (site dedicado em catalogar a história da gravadora/”movimento”) sobre os vários covers feito pelas bandas em evidência da época. Dentre estes cover a maioria é de música jamaicanas da década de 60. É um excelente artigo e uma listagem com músicas que nem imaginava terem sido re-gravadas. Um bom e famoso exemplo é “A Message To You Rudy” do The Specials que não passa de uma versão da original de Dandy Livingstone. Outro exemplo é “Rude Boys Gone A Jail”, também re-gravada pelo Specials da original de Desmond Baker com The Clarendonians, esta foi novidade para mim e se alguém tiver quero escutá-la. =D

Quem gosta do 2-tone e nunca ouviu as originais, escutem, tenho certeza que vai valer muito a pena!

Anúncios

The Specials & Amy Winehouse

No último dia 22, a polêmica Amy Winehouse participou do V Festival na Inglaterra. A grande surpresa é que ela apareceu como convidada da banda The Specials. “Fã de carteirinha”, Amy já regravou duas músicas interprestadas pela banda (You’re Wondering Now e Hey Little Rich Girl) e diz que essa é usa banda favorita. Depois de um tempo longe dos palcos ela volta em grande estilo!

Winehouse acompanhou os Specials em duas músicas: Ghost Town e You’re Wondering Now, confiram!


Post relacionado

Identidade gráfica do Two Tone

Em 1979, recém formado em belas artes, David Storey ingressou na equipe que, sob a direção criativa de Jerry Dammers (The Specials), criou a identidade gráfica da banda e do selo Two Tone. Quando o ‘look’ já tinha se estabelecido – terninho, gravata fina, chapéu “Pork Pie”,  sapatos “Penny Loafers” e óculos “Rayban Wayfarers” – Storey e seu comparsa John ‘Teflon’ Sims, ajudaram na criação da linguagem gráfica que acompanharia o estilo. Agora devoto à pintura, David Storey fala de seu trabalho:

(Tradução livre. O texto original e a entrevista segue na integra em inglês).

In 1979, fresh from art college, David Storey joined the team that, under the creative direction of The Specials’ Jerry Dammers, created the graphic identity for the band and their label, Two Tone. While the fashion ‘look’ for Two Tone was already well established – shiny suits, thin ties, pork pie hats and penny loafers all topped-off with a pair of Rayban Wayfarers – Storey and his partner John ‘Teflon’ Sims, helped create the visuals to go with it. Now devoting his time to painting, David Storey talked to CR about his work.

CR: How did you first get into designing for the music industry?
While still at art college I was commissioned by Rocket Records to produce artwork for two Elton John tracks: ‘Someone Saved My Life Tonight’ and ‘Island Girl’, this work proved to be a stepping stone to a full-time job at Chrysalis Records once I’d graduated.

CR: The Two Tone work was done with John Sims – how did that partnership work?
John ‘Teflon’ Sims and I met at Chrysalis and subsequently worked together as a team for over ten years! We were responsible for a huge amount of Two Tone graphics.  As well as the sleeves, we produced hundreds of promotional items: posters, adverts, T-shirts, badges etc. John is a superb ‘Swiss School’ typographer while my strength tended to be on the pictorial/collage side, so we made a good team. After working in the music industry together we spent several years designing graphics for the Danish fashion company Inwear/Matinique.

CR: Two Tone had a very specific look in terms of the fashions worn by the musicians – how was that translated into a visual language for the sleeves and posters?

When the Two Tone label was launched, with the release of ‘Gangsters’ by The Specials, the fashion ‘look’ was already well established. It originated in Jamaica and was known as the Rude Boy look: shiny zoot suits, thin ties, pork pie hats, penny loafers… topped-off with a pair of Rayban Wayfarers… the most obvious reference to this in the label’s identity is the Two Tone man, known as Walt Jabsco.

CR: How involved was Jerry Dammers? What influence did he have?
Jerry Dammers, the Specials keyboard player, was the brains and creative driving force behind the Two Tone label. He had an obsessive approach to the visuals and worked very closely with John and I on everything right down to the most minute detailing. The entire visual approach came from Jerry, he wanted everything to have a fresh, simple, direct, home-spun, feel. He was great to work with but extremely demanding.

CR: Can you explain who (or rather what) Walt Jabsco was and how he came into being?
As I remember it Jerry had an old vintage bowling shirt which had the name Walt Jabsco embroidered on the front and this name just seemed to get transfered to the Two Tone man. The drawing of the man was based on a photo Jerry had of Peter Tosh.

CR: Why the checkerboard graphic?
As well as being literally made up of two tones the checkerboard pattern was meant to symbolise racial harmony, which is a brilliant idea as Two Tone was a fusion of black and white youth culture. It was first used in 1979 on the paper bag that ‘Gangsters’ was sold in.

CR: You have described your Two Tone work as having an anti-design aesthetic – can you explain what you mean?
Our whole approach was what you might call ‘none design’ meaning that Jerry would root out any attempts by John and I to introduce gratuitous design embellishments. This ruthless weeding process resulted in bold, simple, direct  graphics and is probably the main reason that the Two Tone style has such an enduring impact.

CR: What do you feel about the Two Tone work now looking back on it?
I am very proud of it. Partly because of its timeless appeal, partly because of it was integral to the success of the Two Tone label – but mainly because it packaged and promoted a unique style of music… dance music that conveyed important social and political messages to a huge audience. Probably the best examples of this are ‘Ghost Town’ and ‘Nelson Mandela’, both by The Specials.

CR: Does graphic design play such a central role in music and youth culture today? If not why not?

Personally I think graphic art is alive and well in today’s youth culture… it’s different, diverse and it’s everywhere of course. I see remarkable things happening in the gaming industry and animation in particular. Most people download their music now so you don’t see many record sleeves around. Although I did see one the other day that made me smile… my 11 year old daughter showed me a Lily Allen release, ‘Blank Expression’ , which is packaged in a perfect replica of the original Two Tone paper sleeve!

Storey and Sims have recently released a set of some of their finest Two Tone posters in limited editions of 100 Giclée prints, printed on fine art paper, available to buy from Storey’s website. CR readers can win a copy of the We Are 2 Tone print in a competition in our July issue, out June 25.

Also available from Stoorey’s site are prints of his work for The Housemartins

Via: http://www.creativereview.co.uk/cr-blog/2009/june/two-tone

Guia 2 tone para Skazeiros

The 2 tone trail.

24

No final dos anos 70 uma galera suburbana londrina escutando muito ska jamaicano começou a montar suas próprias bandas de ska. Misturados com punks e outros tipos de pessoas essa mulecada em maioria branca começou a colar com os jamaicanos e negros ingleses que também curtiam o mesmo som. A maioria das bandas tinha um vocalista negro e um branco, dae o nome do tão famoso selo 2tone (dois tons) . A cena foi crescendo a cada dia, em um velocidade feroz para uma época sem internet. Talvez por isso, uma das mais originais cenas musicais criada em cima de uma outra. A segunda geração do ska é londrina e é formada por bandas como The Specials, Madness, Bad Manners e sem elas, o ska não seria o que é. Pete Chamber fez um guia de bandas, bares, picos, lugares por onde a geração 2 tone nasceu, passou, estudou, tocou e colou.  Um livrinho bem interessante de uma cultura tão legal. Quem se interessar é só baixar. O arquivo é super leve e o conteúdo super interessante. Divirtam-se skazeiros.

download

jahjahdance dance craze ska

Pauline Black, vocalista do lendário grupo de ska The Selecter, se apresenta pela primeira vez no Brasil.

Está chegando a hora! Para quem quiser ver a Pauline Black ainda dá tempo de organizar a viagem. O tour começa daqui uma semana na próxima quarta-feira por Porto Alegre e passa por mais 5 cidades brasileiras. Uma pena não passar por BH =/. Mais detalhes sobre preços, horários e informações adicionais sobre a artista e a banda The Selecters você confere abaixo.

Em meio às comemorações do Dia Internacional da Mulher, shows trazem ao País uma das vozes femininas mais importantes dos anos 80, inspiração declarada para Amy Winehouse e Lilly Allen. Apresentações marcam também os 30 anos do emblemático selo britânico 2 Tone Records, responsável pelo surgimento de Specials e Madness.

Pauline Black (of The Selecter). Artista britânica, 55 anos, líder e vocalista do The Selecter, lendário grupo inglês da geração 2 Tone do ska – de grupos como Specials, Madness, Bad Manners e Beat. Mulher e ativista da geração de Chrissie Hynde (Pretenders) e Debbie Harry (Blondie) entre outras. Fonte de inspiração para artistas como Amy Winehouse e Lilly Allen. A frente do Selecter, registrou dois álbuns excepcionais, recheados de ska, reggae e punk rock. “Too Much Pressure” (1980) ficou impressionantes 19 semanas entre os top 5 das paradas britânicas, com os hits “Too Much Pressure”, “Missing Words” e “On My Radio”. “Celebrate The Bullet” (1981) impactou a Inglaterra com o sucesso homônimo. Apontada pela renomada revista Rolling Stone como o melhor grupo da 2 Tone Records. Os shows de março de 2009 marcam sua primeira visita ao Brasil, em meio as comemorações do Dia Intenacional da Mulher e, também, dos 30 anos da 2 Tone Records, certamente um dos selos musicais mais importantes da história da música.

Sobre a banda
Amy Winehouse declarou certa vez – num momento de sobriedade – que seu próximo álbum teria muito ska, como aqueles do Selecter. Enquanto o álbum novo não vem ela já adiantou as influências num concorridíssimo EP, lançado somente em vinil, cujo preço já atinge mais de 50 pounds no Ebay. O que muitos desconhecem é a paixão da britânica pelo gênero de origem jamaicana, principalmente pelas bandas do selo inglês 2 Tone (que ela homenageia no seu show com versões para “Hey Little Rich Girl”, dos Specials, entre outros). Não fosse Pauline Black ter iniciado essa aproximação entre o ska e o pop britânico, nem Amy, nem Lilly Allen, fãs confessas de Pauline Black, estariam dando hoje seu recado.

Pauline Black é uma mulher símbolo da sua geração. No final dos anos 70 e começo dos 80 liderou o The Selecter, banda britânica formada em Coventry, considerada uma das mais importantes da sua época. Pauline marcou seu tempo, dividindo o cenário com grupos de peso, como Specials e Madness, do lendário selo 2 Tone, e também com outras bandas contemporâneas de então, como The Clash, Sex Pistols, UB40, Gang Of Four, Pretenders, de Chrissie Hynde, e o Blondie, de Debbie Harry.

A voz inflamada e postura única chamavam atenção para o The Selecter de Pauline. Não haviam no topo das paradas de sucesso muitos grupos liderados por mulheres, muito menos bandas multirraciais, com presença quase majoritária de negros. Poucas bandas compostas basicamentes por imigrantes haviam conseguido façanha semelhante a do Selecter. Eram tempos do National Front nas ruas da Inglaterra, e de uma era de grande recessão econômica, quando Margaret Thatcher ainda buscava reconstruir a economia inglesa. Em meio a esse turbilhão Pauline subia aos palcos com canções bem sacadas e atuais (como era costume entre os grupos da 2 Tone) e arrasava, como na letra de “Everyday” (“…things are getting worse….times so hard…”), que descrevia bem o momento vivido.

A frente do Selecter, Pauline registrou dois álbuns excepcionais, recheados de ska, reggae e punk rock. “Too Much Pressure” (1980) ficou impressionantes 19 semanas entre os top 5 das paradas britânicas, com os hits “Too Much Pressure”, “Missing Words” e “On My Radio”. “Celebrate The Bullet” (1981) impactou a Inglaterra com o sucesso “Celebrate The Bullet”. Em busca de novos horizontes musicais e pessoais, Pauline deixou o Selecter em 1982 e iniciou carreira como atriz e apresentadora de TV. Seu retorno ao Selecter aconteceu em 1991, com extensas turnês pelo Japão, Europa e Estados Unidos. Em 2005, em crítica da renomada revista Rolling Stone, Pauline e o Selecter foram apontados como o melhor grupo da 2 Tone Records.

Os shows de março de 2009 marcam sua primeira visita ao Brasil, em meio as comemorações do Dia Intenacional da Mulher e, também, dos 30 anos da 2 Tone Records, certamente um dos selos musicais mais importantes da história da música. Pauline Black cantará os sucessos do Selecter, acompanhada de músicos brasileiros como Felipe Machado, Lipe Torre e Rodrigo Cerqueira, do Firebug, quinteto de rocksteady paulistano.

Fotos & Créditos (em alta e baixa resolução)
http://www.radiolarecords.com.br/download/pauline.rar

Repertório do show de Pauline Black (of The Selecter)

The Selecter
Everyday (Times So Hard)
Three Minute Hero
Out On The Streets
Murder
My Sweet Collie
Celebrate The Bullet
Train to Skaville
Carry Go Bring Come
Missing Words
On My Radio
Too Much Pressure

SERVIÇO:

Cidade: Porto Alegre
Data: Quarta, 11 de Março
Horário: 22h30
Local: Manara
Endereço: Av. Goethe, 200 – Moinhos de Vento
Fone: (51) 3332-9705
Preços: R$ 20,00 (Promocional Ipanema FM), R$ 30,00 (Club Ska), R$ 40,00 (primeiro lote – 200 ingressos e meia-entrada), R$ 50,00 (segundo lote – 100 ingressos), R$ 60,00 (terceiro lote – 100 ingressos)
Abertura: Subdub
Ingressos à venda nas lojas Compujob dos Shoppings Iguatemi, Total, Barra e Rua da Praia.

Cidade: Curitiba
Data: Quinta, 12 de Março
Horário: 22h00
Local: Era Só O Que Fatava…
Endereço: Av. República Argentina, 1334 – Água Verde
Fone: (41) 3342-0826
Preços: R$ 40,00 (primeiro lote – 100 ingressos – e meia-entrada), R$ 50,00 (segundo lote – 100 ingressos), R$ 60,00 (terceiro lote – 100 ingressos)
Abertura: Radio Ska e Abraskadabra
Ingressos à venda no http://www.ingressorapido.com.br e seus pontos de venda na FNAC Barigui, Teatro Regina Vogue (Shop. Estação) e Ticketcenter (Shop. Omar)

Cidade: Campinas
Data: Sexta, 13 de Março
Horário: 21h00
Local: Casa São Jorge
Endereço: Av. Santa Isabel, 555 – Barão Geraldo
Fone: (19) 3249-1588 (para reservas e informações)
Preços: R$ 20,00

Cidade: São Paulo
Data: Sábado, 14 de Março
Horário: 23h00
Local: Inferno Club
Endereço: Rua Augusta, 501 – Consolação
Fone: (11) 3120-4140
Preços: R$ 40,00 (primeiro lote – 100 ingressos – e meia-entrada), R$ 50,00 (segundo lote – 100 ingressos), R$ 60,00 (terceiro lote – 100 ingressos)
Abertura: Radio Ska, Extra Stout e Maleducados
Ingressos à venda na http://www.punkshop.com.br e também na Colex (24 de Maio, 116 – Loja 33),
Trezeta Musik (Augusta, 2203 – Loja 7) e Estrondo (24 de Maio, 62 – Loja 342)

Cidade: Rio de Janeiro
Data: Domingo, 15 de Março
Horário: 19h00
Local: Teatro Odisséia
Endereço: Av. Mem de Sá, 66 – Lapa
Fone: (21) 2266-1014
Preços: R$ 40,00 (primeiro lote – 100 ingressos – e meia-entrada), R$ 50,00 (segundo lote – 100 ingressos), R$ 60,00 (terceiro lote – 100 ingressos)
Abertura: Radio Ska e Coquetel Acapulco
Ingressos à venda na Punkshop http://www.punkshop.com.br e também na La Cucaracha (Teixeira de Melo, 31H – Ipanema), Áudio Rebel (Visconde de Silva, 55 – Botafogo) e Livraria Berinjela (Rio Branco, 185 – Loja 10 – Subsolo – Centro).

Cidade: Brasília
Data: Segunda, 16 de Março
Horário: 21h00
Local: Bar do Calaf / Criolina Edição Especial
Endereço: Setor Bancário Sul – Ed. Empire Center – Lojas 51/57
Fone: (61) 3325-7408
Preços: R$ 15,00 (para as 100 primeiras mulheres), depois R$ 20,00 (Mulher) e R$ 25,00 (Homem)

Obs.: Sócios do programa de fidelidade Club Ska, da Radiola, pagam apenas R$ 30,00 nas entradas.

Myspace: www.myspace.com/paulineblack

Imprensa no Brasil
Bruno Lancellotti bruno@radiolarecords.com.br
(11) 9710-9479

post relacionados:


The Specials – The Specials (1979)

tchutoneDawning of a New Era

The Specials foi uma das maiores bandas de SKA do Reino Unido.  Ícone principal do chamado “SKA 2-Tone” (um revival do SKA jamaicano com influências do rock e pop inglês no final da década de 70) servindo de influência para as principais bandas de ska da nova geração. Em 2008 tivemos a excelente notícia de que eles estão de volta e aí vai um breve texto sobre a banda e um download esperto ;)

The Early Years

O embrião do que viria a se tornar os Specials surgiu em Coventry (UK) em 1977, quando Jerry Dammers, Horace penter, Lynval Golding, Silverton Hutchison e Tim Strickland formaram a banda “The Automatics”. Desde o ínicio faziam a fusão do punk com o ska e fizeram certo sucesso em Coventry e região. Posteriormente, o na época vocalista Tim Strickland foi substituido por Terry Hall e com a entrada do guitarrista “Roddy Byers” estava formada a “The Coventry Automatics A.K.A. The Specials”.

O tecladista Jerry Dammers então fez um grande trabalho de divulgação de sua banda no meio musical, distribuindo k-7’s sem muito sucesso. Até que ao conseguir um contato com roadies da “única banda que importa”. Em 78, a banda sai em turnê para fazer 2 shows com ninguem menos que “The Clash”. A banda chamou a atenção de Joe Strummer que abriu espaço para “The Specials A.K.A.” (nome que foi posteriormente adotado devido a outra banda inglesa em atividade q usava o nome de “The automatics”) que abriu os shows do Clash pelo resto da tour.

Acontece que os fãs do Clash não eram tão abertos a novos sons assim, a juventude punk inglesa (provavelmente drogada…) em algumas ocasiões chegou a vaiar a mistura reggae-punk do pessoal de Coventry e até a jogar latas no palco. Mas foi nesta turnê que ao Specials A.K.A. se juntou Nevile Staples, que a época trabalhava como roadie do Clash. Staples demonstrou talento na percussão e grande identificação com a banda, se tornando membro permanente do grupo no mesmo ano.

2-Tone

O tecladista e praticamente “dono” da banda, então realiza seu sonho: criar um selo dedicado ao estilo que a banda incorporou. Baseando-se nos rude-boys londrinos, adotaram a vestimenta e por meio de uma foto de Peter Tosh em um album dos Wailers, criou a logo internacionalmente famosa de seu novo selo o 2-Tone (ou two-tone)2-tonevspeter-tosh

Então, Jerry Dammers entra em contato com Rick Rogers (empresário do “Damned”) que coloca a banda em diversos shows em Londres, onde finalmente os “Specials” chamam a atenção de um grande número de gravadoras, entre elas a “Rolling Stone Records”. Porém, a maioria não dava a Jerry a autonomia para  seu selo, o 2-tone, o que inviabilizou vários contratos. Enfim, a banda assina com a Chrysalis Records um contrato de 10 singles por 1 ano pela 2-tone e 5 albuns dos Specials. A Chrysalis então gravou o single “Gangsters” (música baseada no clássico “Al Capone” de Prince Buster) e distribuiu ao lendário radialista John Peel e depois de uma turnê de 8 semanas pela Inglaterra, a banda chegava à 6ª posição nas paradas inglesas, se apresentando até no “Top of the Pops”. A 2-tone continuou crescendo, também assinando com bandas como “The Selecter” e “Madness”

The Specials

A banda então passa a figurar em festivais de música europeus, roubando a cena de bandas como The Police e The Cure. Em 79, a banda lança o single “A message to you Rudy”, clássico de Dandy Livingstone, com a participação de Rico Rodriguez, um dos maiores nomes do SKA de todos os tempos, junto com a composicão própria “Nite Klub”. Alguns meses depois lançam o album auto-entitulado, que é na minha opinião, o melhor album da banda. O disco chegou ao posto 7 de mais vendido na Inglaterra, consolidando a banda como um fenômeno musical. No mesmo ano aconteceu o primeiro “Two-Tone Tour” com os Specials, Selecter e Madness.

A tour foi um estrondoso sucesso, é claro, porém marcado por incidentes envolvendo o National Front que procurava recrutar pessoas do público para suas atividades de cunho nacionalista. Uma tremenda contradição, tendo-se em vista que o a banda promovia o intercâmbio cultural UK-Jamaica, assim como o selo que defendia a tolerância racial (o preto e o branco). A banda sempre deixou claro seu repúdio por tais correntes ideológicas e o apoio à cultura mod e tradicional skinhead. A banda lançou ainda diversos albuns, como o “More Specials” e o “Today’s Specials” (album repleto de versões muito interessantes) que são altamente recomendáveis. E alguns nem tanto… Mas com certeza, uma das maiores bandas do gênero e tê-los de volta em 2009 promete novos lançamentos e quem sabe uma turnê pelo Brasil (por favor!!!!!!!!!!)

Discografia
Além do auto-entitulado de 79, os Specials lançaram diversos outros albuns:

  • The Best Of The Specials (2008 )
  • Greatest Hits (2006 )
  • Ska’s Greatest Stars (2002)
  • The Very Best Of The Specials And Fun Boy Three (2001)
  • Conquering Ruler (2001 )
  • The Singles Collection (2000)
  • Ghost Town: Live at Montreaux Jazz Festival 1995 (1999)
  • Blue Plate Specials Live (1999)
  • Skinhead Girl (1999)
  • The Specials & Co. (1999)
  • Guilty ‘Til Proved Innocent! (1998)
  • Concrete Jungle (1998)
  • A Little Bit Me, A Little Bit You (1996)
  • Today’s Specials (1996)
  • Too Much Too Young: The Gold Collection (1996 )
  • In The Studio (1984)
  • More Specials (1980)
  • The Specials (1979)

  1. A message to you Rudy
  2. Do the dog
  3. It’s up to you
  4. Nite klub
  5. Doesn’t make it alright
  6. Concrete jungle
  7. Too hot
  8. Monkey man
  9. (Dawning of a) New era
  10. Blank expression
  11. Stupid Marriage
  12. Too much too young
  13. Little bitch
  14. You’re wondering now

DOWNLOAD (link retirado de Puzzle)

Album que contou com a produção de Elvis Costello, lindo! Obrigatório para todo fã de SKA!

Fontes:

The Specials na BBC

Video: 1980 BBC Documentary On The Specials

Via: http://rcrdlbl.com/2008/10/30/video_thrwbck_bbc_documentary_on_the_specials_1980_


estatística

  • 215,047 cliques

roodboss (t)