Archive Page 2



Soundclash

Soundclash é uma disputa entre duas equipes de som na qual as armas são discos e dubplates Aconteceu alguns dias atrás em São Paulo o primeiro soundclash brasileiro . Muamba vs. Jurassic. A revista Trip foi conferir a primeira batalha de soundsystems, que rolou em São Paulo. As armas eram os discos, e a munição eram as pedradas jamaicanas.

Sente só:

No blog You & Me On A Jamboree você pode baixar o vídeo completo do soundsystem.

CALIPSO BRASIL

Nada de Chimbinha ou Joelma. Muito antes desse “calypso” que a televisão brasileira mostra frequentemente, o verdadeiro ritmo originário de Trinidad e Tobago, teve sua passagem pelo Brasil e permaneceu por pouco tempo em sua cadência original. Mas por outro lado, foi de grande importância e influência em outros ritmos brasileiros. A sequência a seguir é uma dessas pouquíssimas gravações de brasileiros tocando e cantando um calipso puro, sem influência de outros ritmos. As gravações variam de 1939 à 1960.

CALIPSO BRASIL (mulambada/music passport)

1. Marina – Albertinho Fortuna (1960)
2. Matilda – George Green e Cipo Conjunto
3. Meu Romance Laura – The Golden Boys (1958)
4. Lua Malvada – Gastão Formentti (1947)
5. Summertime – Lana Bittencourt
6. Havaí – Castro Barbosa – (1939)
7. Belo Rapaz (Handsome Boy) – Caly Campelo
8. Diana – Carlos Gonzaga (1958)

baixe aqui.

Fonte : mulambada.blogspot.com

NA RUA NA REDE NA TORA

1246229212_az_recposterweb

SELO VIRTUAL AZUCRINA RECORDS FAZ FESTIVAL DE LANÇAMENTO

No dia 4 de julho, sábado, acontece a partir do meio dia o festival de lançamento do selo musical Azucrina Records! com a apresentação de oito bandas e artistas de Belo Horizonte embaixo do viaduto Santa Tereza. Os shows começam ao meio dia e são gratuitos.
O festival contará com seletores do RoodBoos Sound System, Retrigger e as bandas FadaRobocopTubarão, Muda, Ü, Cães do Cerrado, Icollini e Hotel Tofu. Além da música o festival conta com a particição dos coletivos Pegada, Fórceps, Gato Negro, Barata Vegana e Mongoteca, representantes da música independente, dos ativismos cibernético e de liberação animal, da mão na massa e do escracho.

O AZUCRINA RECORDS!

O Azucrina Records! é a netlabel do coletivo-estúdio Azucrina!, onde convivem o visual, o sonoro e criatividades adjacentes. O trabalho do selo envolve o lançamento, divulgação e apoio a iniciativas musicais independentes.
Buscando entusiastas autónomos, experimentações, ousadias e estranhices, feitas com instrumentos musicais ou computador, sampleagem ou gravações de campo, a netlabel realiza parcerias que compartilham da vontade de fazer as próprias músicas, camisetas, posters, vídeos, livros, zines, blogs e mais.
Seja uma iniciativa pro-contracultural, vanguarda marginal, retaguarda pseudo-tropical, break-dinner-crust, ambiente-city-ghost ou qual for sua ramificação, partimos de menos expectativa e mais participação.

Oito atrações sobem ao palco armado debaixo do viaduto Santa Tereza apresentando ao público uma grande variedade de estilos e inventividades. Participam do festival Retrigger e seu break beat punk-surf-jungle; Muda e o experimentalismo inclassificável; o trio Hotel Tofu com folk e psicodelismos; os FadaRobocopTubarão e muito rock; Ü e suas esquisitices brasileiras; os Cães do Cerrado e o punk rock (do cerrado); a banda Iconili tocando improvisos experimentais psicodélicos e os Seletores do Rood Boss pondo diversão e ritmos jamaicanos nas caixas.

Além das bandas, bancas serão montadas para distribuição, reprodução e venda de lanches veganos, zines, discos, posters, camisas, livros, quadrinhos e muito mais. Esses materiais serão disponibilizados pelos coletivos Fórceps e Pegada, que atuam na produção e divulgação da música independente; Gato Negro, que trabalha em prol do veganismo e do direito animal; Barata Vegana e seus lanches baratos sem ingredientes de origem animal e Mongoteca, bom humor.

texto:overmundo

Conexão Brasil x Jamaica 2009

DOn

No sábado dia 4 de Julho acontece em Beagá a edição mineira do Reggae Heroes 2009. Conexão Jamaica x Brasil.

Don Carlos (jamaica)
Apple Gabriel ( ex israel-vibration).
Aline Duran (brasil sil sil )

Com realização deskareggae o show contará com a participação dos seletores roodboss no som. Muito som jamaicano da velha guarda como rocksteady, early-reggae, dub e ska.

ingressos e informações:3461-4000

jah bless

Duelo de mc’s

A convite do pessoal do família de rua e do meu amigo e Dj David Zaidan, fui convidado a tocar na batalha de mc’s na última sexta fazendo um set especial de música jamaicana. Fiz um apanhado geral do sons da ilha e algumas influências maneiras. Essa é uma mixtape séria uma vez em que eu estava ansioso pra tocar no duelo e o set foi feito e refeito durante uns bons 3 meses.

DSC02011

O duelo de mcs acontece toda sexta a mais de um ano em baixo do viaduto de Santa Tereza no centro de Belo Horizonte. É um evento cultural que já virou parte da cidade. Pessoas de todos os tipos se encontram em baixo do viaduto pra ver mcs duelando, b-boys mandando ver no breake, grafitte rolando ao vivo, bandas ao vivo  e djs(entre eles o mestre veterano roger dee). Fora as gatinhas….

Pra quem quiser sacar o set e jogar no ipod ta ae. Na minha opinião o melhor set que ja fiz jamaicano. Escuta ae e me dá idéia. pá…

Imagem3

Download.

é tudo nosso!!!

Dub Echoes

Os brasileiros Bruno Natal(diretor do doc.) e Chico Dub(carioca, profundo conhecedor da música jamaicana)  lançam agora dia 10 de maio o tão aguardado documentário Dub Echoes na festa 100% dinamite em londres com participação de Don Letts. Festa fina. O documentário  de iniciativa independente busca explicar a importância da cultura sonora jamaicana sobre a musica atual seja a eletronica ou o dancehall. A evolução das sonoridades da ilha e suas formas de composição inusitadas e únicas(efeitos, timbres, etc). O filme tem duas partes, a “Dub” e a “Echoes”. Na primeira é explicada as origens do Dub na Jamaica, da cultura dos sound systems até os experimentos de King Tubby e Lee Perry com suas respectivas mini-biografias-dub e as prensagens dos dublates. Na segunda é mostrado os caminhos que o Dub percorreu pelo mundo, principalmente nos EUA e na Inglaterra, e a influência decisiva que teve e tem no rock com clash e p.i.l. e na música eletrônia(drum n’bass, trip hop, dubstep  e no Hip Hop). Sempre através de entrevistas com nomes expressivos em suas áreas musicais  dos períodos e gêneros abordados no filme.
O filme ainda conta com inúmeras participações de todo o mundo. De Lee Perry a Two many djs, passando pelos brasileiros da nação zumbi ao produtor Mário Caldato Jr, .de Roots Manuva a U-Roy, num total de mais de 40 entrevistados.  A trilha sonora original conta com os cariocas do digital dubs bem presente no início do filme. E bem boa!!!
Em site de torrent já é possível achar uma versão não finalizada do documentário. (essa versão não contém a trilha oroginal completa e conta com algumas entrevistas que no video final não entraram por cláusulas contractuais.
As entrevistas e fotos da jamaica antiga são o oro do doc. Muitas imagens legais e historias contadas por Lee perry ou U-roy por exemplo. Vários produtores jamaicanos que acompanharam o início do dub e toda sua influcência na musica da Terra. E produtores e músicos da atualidade falam como o dub influência em sua música e em sua vida.
O carioca Chico Dub é um profundo conhecedor da música jamaicana. Sua recheada coluna Jamaica Hi-Fi, publicada no site Radiola Urbana, é um prato cheio para quem têm interesse sobre o assunto. Seu blog, o Dub.blogger.com.br, também é repleto de informações e referências fundamentais para quem deseja desbravar o estilo.
ficadica.
jah bless.

Rock Steady

imagem5

O Feio fez uma coletânea marôta de rock steady e eu fiquei ouvindo pacas. Dae infernei na compilação da trojan que é maravilhosa e não paro de escutar também. Rock steady é o rítimo mais gostoso da jamaica na minha opinião. É o estilo que todos que escutam gostam. A sós com uma mocinha então esse disco com 50 pedradas é batata!!!! Não a mocinha que resista a levada da guitarra e as melodias aqui contida.  O termo Rock steady é uma forma marôta dos rood boys dançarem e foi cantado na música rock steady que abre o disco com o  grande Alton Ellis. Dizem por aê que o rock steady nasceu num estudio quando um baixista de ska deu uma diminuída no rítimo e criou um som mais calmo e harmonico. As linhas de baixo são menos quebradas do que a do ska, o rítimo que antecede o rock steady. E fora isso tudo tem o nome mais style de rítimo músical.  Baixa isso ae e escuta as 50 pedradas na cabeça direto. Essa compilação da Trojan é minha favorita.

disco 1

disco 2

disco 3

No vídeo uma do Melodians que não tem na coleta da trojan.


estatística

  • 220.793 cliques

roodboss (t)